To the women that inspire me, on IWD

Today, the 8th March, marks International Women’s Day. It is observed across the globe as a day to celebrate the achievements of women, as well as to continue to work towards gender equality.

Hoje, dia 8 de Março, é o Dia Internacional da Mulher. É observado pelo mundo fora como um dia para comemorar os sucessos das mulheres, mas também para continuar a luta pela igualdade de géneros.

In 2018, IWD follows a shift in the discussion and fight for equality, a movement for women’s rights, with noticeable campaigns such as #metoo and Time’s Up, which started in the US but have reached global status – and so it made sense for me to dedicate today’s post to an issue that is so close to my heart.

Em 2018, o Dia Internacional da Mulher segue uma mudança nas conversas e na luta pela igualdade, um movimento pelos direitos da mulher, com campanhas tão visíveis como #metoo e Time’s Up que começaram nos EUA mas já se tornaram globais – e por isso fez sentido dedicar o meu post de hoje a um assunto que me é tão importante.

Luckily I grew up in a family that never made me feel like I was “just a girl” – I always felt I could do whatever I put my mind into, as long as I worked hard.

Tive sorte de crescer numa família que nunca me fez sentir “só uma rapariga” – sempre senti que podia fazer o que quisesse, se trabalhasse para isso.

However, I grew up in Portugal, which is still quite patriarchal at times. And I also grew up in a time when boys touching girls in school playgrounds was a) a (weird) game and b) something schools didn’t take seriously. It wasn’t something I felt comfortable with, even at 10 years old, and when a particular boy got too handsy with me, I tried to get the support of the school – but was dismissed as if it was just child’s play. I haven’t forgotten this moment to this day, and it’s one of the reasons why I think it’s so important to change behaviours.

Por outro lado, cresci em Portugal, que ainda consegue ser um país patriarcal. E também cresci numa altura em que não se ligava aos rapazes a apalpar raparigas nos recreios das escolas porque a) era um jogo (estranhíssimo) e b) as escolas não levavam a sério. Mesmo aos 10 anos não me sentia confortável com isto e, quando um colega me apalpou, tentei ir pedir apoio à direcção, mas mandaram-me embora e levaram aquilo como uma brincadeira de crianças. Até hoje não me esqueço deste momento e é uma das razões pelas quais acho importante mudar os comportamentos.

For me, the #metoo movement hits home – and I think it’s important to talk about it, uncomfortable though it is, so that the situation changes. So that girls and women do not have to feel their privacy invaded without consequence.

Para mim, o movimento #metoo é demasiado familiar. E é importante falar sobre isto, por muito desconfortável que seja, para que a situação mude. Para que raparigas e mulheres não tenham de ver a sua privacidade invadida sem consequência.

In short, International Women’s Day is important, and still so necessary. But aside from highlighting inequalities, it is also a day to commemorate women, so in today’s post, I wanted to celebrate the Women in my life that I admire.

Em resumo, o Dia Internacional da Mulher é importante e ainda tão necessário. Mas para além de chamar a atenção para as desigualdades, este dia também serve para celebrar as mulheres e então, no post de hoje, quero celebrar as mulheres que admiro na minha vida.

My Mother // A minha mãe

My Mum is the kindest, toughest person you will ever meet. She is tiny but you know just by looking at her that there’s no messing with her. Mum cares deeply and will go out of her way to help the people she loves. From her I learned an incredible work ethic, and it is also to her that I look when I work to be kinder. Mum was also the one to teach me the values of freedom and the importance of fighting for your rights – she was very involved in protests and activities after the Carnation Revolution and I grew up listening to political songs and attending demonstrations. I could not be more proud to be her daughter.

A minha mãe é a pessoa mais gentil e mais forte que podem conhecer. É pequenina mas basta olhar para saber que não se devem meter com ela. A minha mãe preocupa-se mesmo e vira-se do avesso para ajudar as pessoas de quem gosta. Com ela aprendi uma óptima ética de trabalho e é também nela que me inspiro quando quero ser mais gentil. Também foi a minha mãe que me ensinou os valores da liberdade e a importância de lutar pelos nossos direitos – esteve muito envolvida em protestos e actividades depois do 25 de Abril e eu cresci a ouvir música de resistência e a ir às Manifs. Não podia ter mais orgulho de ser filha dela.

My Godmother // A minha madrinha

My aunt and godmother is the coolest woman I’ve ever met, and to this day one of my biggest influences. I spent so many of my holidays with her and learned so much from places she took me and my cousins to, as well as from films and music she showed us and things she told us. My godmother always told me stories about my family that fascinated me and made me proud. She taught me about being tough, about appreciating culture and style. About not apologising for who you are, for what/how you feel. I’m lucky to have this nutter in my life.

A minha tia e madrinha é a mulher mais fixe que conheço e, até hoje, uma das minhas maiores influências. Passei tantas férias com ela e aprendi tanto dos sítios onde me levou a mim e às minhas primas, bem como dos filmes e música que nos mostrou e coisas que nos contou. A minha madrinha sempre me contou histórias de família que me fascinavam e deixavam orgulhosa. Ensinou-me a ser forte, a apreciar a cultura e o estilo. A não pedir desculpa por ser quem sou ou sentir o que sinto. Tenho sorte de ter esta maluca na minha vida.

My best friends // As minhas melhores amigas

This one is a collective because I am grateful for all the ladies I call best friends. Whether they are near or far, I know I can count on them to support me (or call me out on my shit) at any time. They are strong women with whom I share my nerdy interests, or to whom I can turn to when something is stressing me out. They are my strength and my source of sanity. I admire and love them for many reasons – especially for being passionate, intelligent, supportive and kind.

Este é colectivo porque estou grata por todas as mulheres a que chamo melhores amigas. Estejam perto ou longe, sei que conto com elas para me apoiarem (ou para me darem na cabeça) a qualquer momento. São mulheres fortes com quem partilho interesses nerd, ou com quem posso falar se alguma coisa me estiver a stressar. São a minha fonte de força e de sanidade mental. Adoro-as e admiro-as por várias razões, especialmente por serem pessoas apaixonadas, inteligentes, encorajadoras e gentis.

What women inspire you? I’d love to know, leave me a comment and tell me how you’re celebrating IWD this year.

Que mulheres vos inspiram? Adorava saber, deixem um comentário e contem-me como vão celebrar o Dia Internacional da Mulher este ano.

T x

10 Comments

  1. João Miranda
    8th March 2018 / 10:29 am

    Notável texto este, só possível por ser escrito por uma pessoa excepcional. Por ser uma mulher imperfeita e só essas são pessoas completas! Por ser uma mulher sensível, culta, inteligente e empenhada e só essas são pessoas inteiras! Por ser a minha Filha, ponto final!

    • alfacinhastories
      Author
      8th March 2018 / 10:36 am

      Como assim, imperfeita?! obrigada Pai!!

      • João Miranda
        8th March 2018 / 10:57 am

        Todos temos as nossas imperfeições. Uns sabemos reconhecê-las, outros não. Sempre desconfiei das pessoas muito “perfeitinhas”. Há alguma coisa de falso nisso.

  2. Olga miranda
    8th March 2018 / 10:58 am

    Muito bom. Obrigada filha por seres como és.
    Estou por aqui sempre ao teu lado

    • alfacinhastories
      Author
      8th March 2018 / 12:30 pm

      Obrigada eu minha mãe ❤️

  3. Marta
    8th March 2018 / 11:56 am

    Acho muito mal não termos direito a foto… Mas tenho de dizer isto, amo a foto da tua mãe, mesmo à estrela de cinema!!

    • alfacinhastories
      Author
      8th March 2018 / 12:31 pm

      LOL pronto, já tratei disso! É do casamento, está uma giraça, não está?

    • alfacinhastories
      Author
      8th March 2018 / 12:31 pm

      Ps: isso eras tu a dar graxa para mais arrozes?

  4. Bi
    8th March 2018 / 2:07 pm

    A minha afilhada é ÚNICA e ser escolhida numa crónica dela sobre mulheres que admira e referida como a pessoa mais cool e uma grande influencia deixa-me tão contente e forte e emocionada e a rir e a achar que esta foi a melhor homenagem de dia da mulher que alguma vez tive!
    Tu és forte, não fui eu que te ensinei isso, talvez te tenha ajudado a ver que és, só isso .
    E… sou eu que tenho muita sorte!

  5. Bi
    8th March 2018 / 2:08 pm

    (a ilustração é tão gira!)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.